70% das iniciativas de automação são travadas por questões de segurança e de dados

10 visualizações
0

A Mulesoft, empresa da Salesforce e fornecedora da principal plataforma de API e integração em todo o mundo, acaba de divulgar o mais recente IT and Business Alignment Barometer, revelando que 70% das iniciativas de automação estão são travadas por questões de segurança e silos de dados, à medida que as empresas procuram cada vez mais a automação para melhorarem a eficiência e a produtividade. No entanto, o estudo também revelou oportunidades para as empresas superarem estes desafios para uma inovação mais rápida. As equipas de TI e de negócios, ao trabalharem juntas, podem reduzir ou até mesmo eliminar os silos da organização, reduzindo significativamente o tempo de desenvolvimento de novas soluções. O relatório mostra ainda que quase 9 em cada 10 (87%) empresas dizem que o alinhamento entre as equipas de TI e de negócios melhorou nos últimos 12 meses, levando a uma série de benefícios, incluindo uma melhor colaboração (64%), eficiência operacional (58%) e melhor experiência do cliente (54%).

“O alinhamento entre equipas de TI e de negócios não é apenas um nice to have – mas é essencial para atender à urgência dos imperativos digitais de hoje”, explica Brent Hayward, CEO da MuleSoft. “Entregar inovação com rapidez requer ativos reutilizáveis ​​e seguros para que a empresa possa auto-servir-se para lançar rapidamente novas experiências digitais, produtos e serviços. A chave para o sucesso futuro das empresas passará obrigatoriamente pela forma como as equipas de TI e de negócios impulsionam as iniciativas de automação e capacitam as equipas para conectarem dados e aplicações de forma segura e sem atrito.”

 Com base em um estudo global feito a 2.400 profissionais líderes de equipas de TI (ITDMs) e líderes de equipas de negócios (BDMs), o IT and Business Alignment Barometer também destaca as prioridades e os desafios das empresas nos próximos 12 meses:

O imperativo digital aumenta a adoção da automação

Num mundo totalmente digital e onde se trabalha a partir de qualquer lugar, nunca foi tão importante compreender e responder às mudanças na dinâmica do mercado – e nas necessidades dos clientes e funcionários – com velocidade, agilidade e eficiência. A automação tornou-se um foco crescente para muitas empresas, para aumentarem a conveniência e a velocidade, e reduzirem os custos. O barómetro agora divulgado, revela que:

  • A eficiência operacional é a prioridade das empresas: melhorar a eficiência operacional (54%), criar experiências de cliente mais conectadas (50%), melhorar a produtividade (49%), tornar-se mais ágil para mudanças (48%) e tornar-se mais orientado para dados (45%) são as cinco principais prioridades de negócio das empresas.
  • Automação em todo os locais: 95% das organizações implementaram ou estão em processo de implementação de iniciativas de automação, como processos simplificados de integração de funcionários, para melhorarem a produtividade. 93% vêem a automação como um meio para criarem experiências de cliente mais conectadas e melhorarem a eficiência operacional.
  • Equipas de TI lideram as iniciativas de automação: pouco mais de dois terços (67%) das empresas afirmam que suas iniciativas de automação são lideradas pelas equipas de TI (ou seja, conduzidas pelo departamento de TI e pela tecnologia disponível).

Preocupações com segurança e silos de dados desaceleram as prioridades dos negócios

A segurança e governance, juntamente com dados distribuídos em várias aplicações e plataformas, continuam a ser um desafio para as iniciativas de automação e impedem a inovação.

  • As preocupações com segurança diminuem o ritmo da inovação: a maioria (87%) dos líderes de TI e de negócios afirmam que as preocupações com segurança e governance estão a diminuir o ritmo de inovação.
  • Sistemas díspares causam problemas de segurança: quase três quartos (73%) das organizações afirmam que a integração de sistemas díspares aumentou as suas preocupações em relação à segurança e governance de dados – 31% dizem que houve um aumento “significativo” nas preocupações.
  • Organizações ainda temem capacitar utilizadores não técnicos: a maioria das empresas reconhece a necessidade de capacitar equipas de negócios para ajudar a aliviar a tensão operacional de TI. No entanto, a maioria permanece cautelosa sobre as implicações de segurança; 87% admitiram que as preocupações com a segurança os impediam, pelo menos em algum grau, de capacitar utilizadores não técnicos para integrar fontes de dados.

Modelo de inovação colaborativa para TI e negócios aumenta a agilidade

Para superarem os desafios de integração e tornarem-se mais ágeis, as equipas de TI e de negócios precisam de trabalhar juntas para co-criarem valor e acompanharem a velocidade da digitalização. As equipas de TI podem concentrar-se na produção de ativos reutilizáveis ​​controlados e seguros, e capacitarem as equipas de negócios para integrarem e auto servirem-se desses ativos aprovados por TI para fornecerem inovação mais rapidamente.

  • A COVID-19 gerou um novo foco na agilidade de negócios: mais de três quartos (78%) das empresas afirmam que melhorar a agilidade de negócios para permanecerem competitivas será extremamente importante no futuro. Este é um aumento notável desde os 68% que disseram que era um foco pré-pandemia.
  • As TI impulsionam cada vez mais os resultados de negócio: A maioria (88%) dos líderes de negócios e de TI concorda que as TI se tornaram ainda mais importantes na geração de valor de negócios nos últimos 12 meses. Quase metade (48%) afirma que se tornou “significativamente” mais importante.
  • O valor da integração é reconhecido pela empresa: quase nove em cada 10 (87%) BDMs sentem que uma integração melhorada irá ajudar a cumprir os seus objetivos de negócio – 39% dizem que os ajudaria “muito”.
  • Impulsionar a agilidade ao capacitar os utilizadores de negócio a criarem experiências conectadas: A grande maioria (86%) das empresas concorda que os resultados de negócio melhorariam se os utilizadores de negócio pudessem usar pouco ou nenhum código para conectar aplicações e dados com segurança, por conta própria e para criarem experiências conectadas. Essa capacidade permitiria às organizações melhorarem a produtividade (52%), tornarem-se mais orientadas a dados (48%), melhorarem a eficiência operacional (48%), criarem experiências de cliente mais conectadas (46%) e tornarem-se mais ágeis para mudanças (45%).
Sobre o autor

Fernando Costa

É o fundador da InforGames. Começou a ter interesse pelos videojogos através do Spectrum +2 128k. Gosta de jogos de Estratégia, Corridas e Luta. Apesar de já ter jogado em várias consolas, o PC continua a ser a sua plataforma de eleição!

O teu endereço de email não será revelado. Campos obrigatórios estão marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.