Análise – Born of Bread

Análise – Born of Bread

40 Visualizações
0

Apesar de andar sem tempo devido ao trabalho, hoje trago-te a análise a mais um jogo. Born of Bread, um jogo de aventura em 2.5D.

Quando se começa a jogar Born of Bread, percebe-se imediatamente que este não é um jogo para levar a sério. Não porque não tenha uma base sólida, mas porque o humor disparatado é evidente desde o início. Apesar de começar com uma nota de urgência, como a maioria dos RPGs, não há qualquer sensação de pânico. Ao longo do jogo, há uma aventura divertida que nos mantém entretidos e a querer mais.

Embora Born of Bread tenha uma mecânica de RPG simples, acrescenta elementos de temporização para danos e bloqueios. Estes podem ser difíceis de conseguir, especialmente se não fizeres ideia do que é suposto acontecer. As estatísticas e os tipos de danos não são claramente explicados, e fortalecer as personagens é involuntariamente difícil. Mas se deres uma oportunidade ao jogo, terás uma aventura divertida e descontraída que promete passar um bom bocado.

Born of Bread começa em duas frentes. A primeira é a libertação acidental de um grupo de demónios sobrenaturais, que trabalham para restabelecer o seu reino. Ao mesmo tempo, um cozinheiro do palácio segue uma receita desconhecida para criar um golem de farinha que remete para o título. Em vez de servir a sua nova criação, o cozinheiro decide adotar o golem.

Os demónios descobrem o golem de farinha durante a sua missão e tu és atirado para o deserto. O teu objetivo é regressar a casa e fortaleceres-te antes que os demónios regressem. Ao longo do caminho, encontrarás vários aliados e enfrentarás vários problemas no mundo que te rodeia.

born of bread3 jpg

A história em si não é muito original, apesar da premissa do golem de farinha. Muitos dos enredos de histórias de RPG vistos noutros jogos aparecem aqui. Ainda há muito tempo para a história se destacar, mas a aventura inicial não nos mostra nada de novo. Continua a ser uma história tradicional de amadurecimento que culmina com a derrota das forças do mal.

O que se destaca em Born of Bread é o humor, que é muito bem pensado, tal como em Baldur’s Gate 3. As piadas variam entre o humor piroso, o relacionado com a culinária e o humor completamente disparatado. Ajuda a definir o tom e permite-nos saber que o jogo não se leva demasiado a sério. Os tipos de personagens são exagerados para fins cómicos e correspondem ao que seria de esperar do seu desenvolvimento.

Nada na história nos faz sentir como se tivesse sido forçado; é contada como uma história natural. Isso faz com que seja fácil entrar na história e retomá-la depois de uma pausa. É uma história que nos pode fazer sorrir nos momentos mais estranhos, lembrando-nos de nos divertirmos ao longo do tempo.

A exploração de Born of Bread é de plataformas, onde exploras o mundo numa vista 2,5D. Podes mover-te para a esquerda e para a direita, mas também para cima e para baixo, saltando para os obstáculos. Se explorares, podem abrir-se novos caminhos, permitindo-te encontrar itens ou inimigos para combater. Há também sítios que estão inicialmente fora de alcance, obrigando-te a usar o ambiente ou a voltar mais tarde.

É frequente revisitar áreas, o que torna difícil perder ou esquecer algo permanentemente. À medida que se ganham mais aliados, abrem-se mais áreas para explorar e podem ser ultrapassados obstáculos. Embora a profundidade seja sempre um problema nos jogos de plataformas, as penalizações por falhar são raras. Se não estiveres interessado, podes sempre concentrar-te na aventura principal sem perderes nada de vital.

born of bread1 jpg

Em Born of Bread não se pode escapar ao combate e este é baseado por turnos. Todos jogam à vez, tal como em Monster Sanctuary, e usas habilidades para ganhar vantagem sobre os inimigos. Os movimentos são executados premindo os botões no momento certo, o que também se aplica à proteção. As personagens podem subir de nível e concentrar-se em alguns aumentos de atributos enquanto aprendem novas habilidades.

Infelizmente, o combate não é tão simples como parece ser, com vários aspetos que não são claramente explicados. Há muito tempo para que isto mude, mas é algo que poderia ser melhorado.

O tutorial de combate é simples e fácil de compreender. Mas há vários aspetos que não foram explicados, o que torna as coisas difíceis. Por exemplo, aprendemos a ordem dos turnos e a trocar de equipa. Infelizmente, isso não significa que a personagem que está à frente vai receber um ataque. O teu golem de farinha continua a sofrer danos, mesmo que outra pessoa ataque primeiro.

born of bread4 jpg

Isto dificulta o início do jogo, uma vez que a tua saúde é efetivamente a mesma que a do golem de farinha. Quando esta chega a zero, o jogo termina, mesmo que os outros estejam saudáveis. Mas isto não é mencionado e não é fácil de preparar. Embora não seja bom colocar os aliados na linha de fogo, o teu golem de farinha pode precisar de algum tempo para recuperar.

Fazer movimentos baseados no tempo é semelhante a jogos como o Cris Tales, mas é difícil de executar porque não há referências. Até mesmo mudar um movimento pode alterar drasticamente a atividade temporal. É difícil encontrar um bom equilíbrio no combate, especialmente quando as lojas tradicionais só são encontradas quando se progride bastante.

O combate não é assim tão difícil que não seja possível aprender e habituarmo-nos a ele. Mas é mais difícil do que o esperado e deves conservar os teus recursos. Caso contrário, podes colocar-te numa situação impossível de vencer no início do jogo que te obrigue a recomeçar.

O Born of Bread é um jogo muito bonito de se ver. Embora todas as personagens sejam 2D, os ambientes são desenhados com uma mistura de arte 2D e 3D. A natureza é maravilhosa de se ver, os edifícios parecem robustos e quase não se nota a mistura. Parece um livro de imagens pop-up com o qual se está a interagir, mas com melhores transições.

A música também se enquadra na atmosfera cómica. Não se leva nada demasiado a sério porque a música encaixa na perfeição. Mesmo quando os demónios aparecem e o caos está instalado, a música de fundo continua a ter elementos cómicos.

Concluindo:

Born of Bread tem muito potencial, mesmo que algumas partes sejam confusas. A comédia é perfeita, os ambientes são agradáveis de explorar e o combate mantém-nos envolvidos. Podia haver uma explicação melhor para alguns aspetos do combate, porque não é fácil aprender sozinho. Ver o potencial que este jogo tem é ótimo, e vais divertir-te imenso se o humor for do teu agrado.

O código Steam para teste de Born of Bread, foi cedido gentilmente por Jesus Fabre.

8.0

Nota final

Pros
  • A comédia está perfeitamente presente em toda a conversa
  • A exploração tem uma boa mistura de plataformas
  • O combate mantém-te envolvido
Cons
  • Nem todos os aspectos do combate são devidamente explicados
  • A comédia pode não ser para todos
Sobre o autor

Fernando Costa

O Fernando é o diretor do InforGames. O seu primeiro computador foi o ZX Spectrum, e foi aqui que começou a interessar-se pelo mundo dos videojogos. Apesar de já ter jogado em várias plataformas, o PC continua a ser a sua plataforma de eleição. No que diz respeito a jogos, gosta de estratégia, corridas e luta.

O teu email não será publicado. Os campos de preenchimento obrigatório estão assinalados*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.