Análise – TCL 65C855

Análise – TCL 65C855

25 Visualizações
0

Após ter analisado ultimamente vários PC, Consolas e Telemóveis, agora foi a vez de uma TV. Trata-se da TCL 65C855 Mini LED com tecnologia QLED. Após alguns dias de testes (até deu para ver os jogos de Portugal na fase de grupos do Euro 2024), vê o que achei.

A TCL continua aos poucos a conquistar o seu espaço no mercado de televisões LED, alcançando marcos impossíveis, como uma nova televisão de 115 polegadas e 20.000 zonas de regulação de intensidade, e permanece num confortável segundo lugar mundial em vendas de televisão. Tudo isto está concentrado nesta nova gama de televisores para 2024.

 

Especificações Técnicas:

Painel LCD LED (QLED, Painel 2024 MiniLED)
Diagonal 65 polegadas
Resolução 4K UHD (3.840 x 2.160)
Gama Dinâmica Elevada HDR10, HLG, Dolby Vision e HDR10+
Montagem Fixa ou na parede (VESA 300 x 300)
Medidas 144.5 x 83.5 x 5.6 cm (sem suporte)
144.5 x 86.9 x 29.8 cm (com suporte)
Peso 29.2/29.8 Kg (sem/com suporte)
Conectividade (Vídeo) 2 x HDMI 2.1 (40 Gbps)
2 x HDMI 2.0 (18 Gbps)
2 x USB
1 x Ethernet
1 x CI+
Conectividade (Áudio) 1 x Saída Ótica
1 x HDMI eARC
Som 2.1.2 50W Onkyo
Compatibilidade/Standards ARC/eARC
Sintonizador DVB-T2 + DVB-S2
WiFi (AC)
Bluetooth 5.2
Capacidade de reprodução MPEG4
HEVC
VP9 Perfil 2
Sistema Operativo Google TV

 

Design

O design da TCL C855 é muito semelhante à do ano passado. Um design muito confortável, uma vez que o seu suporte não muito largo facilita a instalação em praticamente qualquer móvel ou secretária – e deixando um espaço suficientemente alto para colocar uma boa barra de som.

Esta TV, como veremos ao longo da análise, utiliza a melhor tecnologia de imagem possível para um LCD-LED, que é a tecnologia FALD (Full Array Local Dimming), ou seja, tem um número de zonas independentes (1344 neste modelo) que são capazes de se ligar e desligar – e com elas, os LEDs, emulando assim o funcionamento de um televisor OLED. Ao fazê-lo, a TCL triplicou o número de zonas em relação ao ano passado, embora a espessura da TV seja evidente.

Som

Quanto ao design acústico do televisor, é composto por um sistema 2.1.2 de 50 W da Onkyo, com um woofer – provavelmente coaxial – na traseira que trata dos agudos, médios e graves, e duas unidades de upfiring Atmos no topo que fazem com que o som salte do teto e chegue até nós.

Por outro lado, a TCL C855 é capaz de descodificar Dolby Atmos (com perdas), ou seja, o perfil baseado em DD+ utilizado por todos os serviços a pedido como este. Também descodifica Dolby Digital, Dolby TrueHD e também DTS e DTS HD MA, quer através da passagem para uma barra de som ou AVR, quer descodificando o som e reproduzindo-o na própria TV.

Para terminar esta secção de características e especificações técnicas, o painel não melhorou nada no tratamento dos reflexos em comparação com o ano passado; por isso, podemos dizer que tem um filtro antirreflexo médio, nem bom nem mau, pelo que numa sala de estar com muita luz haverá reflexos suficientes, algo que deves ter em conta ao montares e colocares a TV.

A TCL C855, por outro lado, mantém o mesmo filtro de ângulo de visualização do ano passado: por outras palavras, não há praticamente nenhuma melhoria em relação a um painel VA puro. Ou seja: se formos além dos típicos 40-45 graus de visualização que este tipo de painel oferece, começaremos a ver uma imagem desbotada, falta de contraste e outros defeitos. Esta melhoria, mais uma vez, só é oferecida no modelo X955.

Conectividade

Em termos de conetividade, a TCL continua a oferecer duas portas HDMI 2.0 e duas portas HDMI 2.1 com uma largura de banda efetiva de 40 Gbps. Com estas portas, a TCL C855 oferece suporte para as mais recentes tecnologias para os jogadores: ALLM (comutação automática do modo de jogo), 4K@120 Hz (e 144 Hz), croma total e 444 de 10 bits, com suporte para HDMI VRR e também suporte total para eARC (com o qual podemos enviar áudio HD a partir de leitores externos).

Incorporar uma tomada de som eARC é muito bonito, mas será especialmente útil para quem tem uma barra de som “compatível” com uma única tomada HDMI, porque se tivesse duas (ou um amplificador, por exemplo), podemos ligar tudo a ela e daí à TV, usando o amplificador para o som e a TV para a imagem, não fazendo sentido usar a TV como “ponte” entre os dois dispositivos. Ou seja, é uma funcionalidade que só um tipo muito específico de perfil de pessoas poderá aproveitar.

conectividade c855 jpg

Comando

O novo comando da TCL tem um design que me agradou bastante: confortável, leve, de boa qualidade e com os botões certos sem ser demasiado minimalista. Tem botões de acesso direto às aplicações On Demand: Netflix, Amazon Prime, Youtube e TCL Channels.

comando c855

Google TV

Neste modelo TCL que analisei, gostei do bom funcionamento do seu sistema operativo. Claro que estou a falar da Google TV. O sistema funciona fenomenalmente bem, com muito boa aceitação, extremamente rápido, sem crashes, publicidade intrusiva, etc.

Em termos de hardware interno, o fabricante optou por um SOC (System On Chip, ou seja, o processador e a gráfica da TV) Pentonic quad-core ARM Cortex A73 a 1300 Mhz e 3GB de RAM, para além de uns fantásticos 64GB de memória interna.

Quanto à sua capacidade de instalar aplicações, o bom de pertencer ao ecossistema Google é precisamente as suas possibilidades quase infinitas. Sendo um dispositivo Google TV, não terás problemas em instalar quaisquer aplicações, e aquelas que o suportam ativarão o suporte HDR/Dolby Vision (se o serviço o suportar, no caso do Disney+) e Dolby Atmos (via ARC para um amplificador ou barra, falaremos disto mais tarde) e continuarão a oferecer suporte HDR para aplicações como o YouTube.

Além disso, o acesso à reprodução de ficheiros via USB ou rede (NAS/DAS) continua a melhorar e está a tornar-se cada vez mais estável – embora limitado aos 100 Mbits da placa de rede integrada (mas felizmente solucionável com este adaptador de rede USB para gigabit), embora isto seja algo que se repete em todos os fabricantes.

Imagem

Para além do nível de preto ANSI nativo de 6000:1, a TCL deu a este modelo o triplo das zonas de escurecimento e, especialmente, um novo controlo de luz que torna efetivamente impossível ver florescer mesmo nas cenas mais difíceis que possas imaginar.

Para isso, a C855 utiliza a tecnologia FALD – ou Full Array Local Dimming -, uma tecnologia de iluminação zonal de píxeis. Cada conjunto de píxeis é ligado e desligado de forma autónoma, dependendo das necessidades, imitando assim o funcionamento da tecnologia OLED e obtendo pretos (e contraste) perfeitos quando uma zona é desligada. O TCL C855, na sua versão de 65″, tem 1344 zonas, o que nos dá um rácio de 1 zona por cada 6175 pixéis.

Quanto à forma como vem de fábrica, como em HDR vem com demasiado azul no balanço de brancos, algo que após uma calibração profissional (a não ser que saibas o que estás a fazer) fica completamente resolvido, deixando tanto o balanço como as saturações de cor no sítio.

Por outro lado, em SDR e como o painel não precisa de emitir tanto brilho, uma vez que o conteúdo SDR está limitado a 120-180 nits, é bastante óbvio deduzir que a TCL C855 não apresenta quaisquer problemas de blooming ou de detalhes de sombras.

Em termos de pico de nits em HDR, esta TCL C855 de 65 polegadas tem cerca de 2200 nits a 10% de janela e quase 1000 em ecrã total, o que são dados muito bons. Além disso, à medida que se diminui o tamanho da janela, a luminosidade diminui: 2000 nits a 5% e 1300 a 1% de janela, para evitar o efeito “blooming”.

Relativamente ao blooming, o sistema implementado pela TCL melhorou muito este ano em HDR, dando sempre prioridade a não ver blooming, mas também este ano não prejudica o detalhe das sombras, sempre presentes e sem qualquer tipo de esmagamento. Mesmo em cenas muito complicadas, com muito detalhe de sombra e elementos muito brilhantes, não consegui ver blooming.

Outro aspeto notável desta TV é a sua riqueza de cores. Por duas razões: a primeira é que, ao utilizar Pontos Quânticos em vez de um filtro RGB convencional, ganha-se em pureza e amplitude de cobertura. Em segundo lugar, não existem subpixéis brancos. Isto resulta em cores realmente puras, saturadas e ricas, independentemente do facto da TV vir melhor ou pior calibrada de fábrica.

Por falar em cor, tal como acontece com outras TVs, ter tantos nits significa que a gama dinâmica da TV é extremamente elevada e, em conteúdo HDR, a TV tem um impacto único. Além disso, o mapeamento de tons da TV é bastante bom, embora seja lógico, considerando que com esses 2200 nits quase não precisa de qualquer mapeamento de tons para preservar os detalhes e mostrar detalhes brilhantes. Já agora, também não há blooming nas legendas (para os amantes de VOS).

Outra questão importante é o facto desta TV ser compatível com todos os formatos HDR: HDR10, HLG, HDR10+ e Dolby Vision. E sim, todos eles funcionam na perfeição, incluindo o Dolby Vision, um formato bastante complexo de implementar e que a TCL conseguiu alcançar com sucesso, pois não esmaga os detalhes das sombras nem mostra excessos. A imagem é simplesmente perfeita. A combinação de metadados dinâmicos e 2200 nits e a quase ausência de ABL produz uma imagem verdadeiramente espantosa.

 Processador

Este ano, a TCL renovou ligeiramente o processador, passando do AiPQ 3.0 do ano passado para o novo AiPQ Pro com algumas melhorias aqui e ali. Em termos de escalonamento, mantém o seu bom desempenho sem fazer com que os atores pareçam encerados, com imagens nítidas, mas sem perder o grão cinematográfico que, em última análise, fornece o detalhe fino da imagem. Imagens nítidas e orgânicas.

Quando se trata de limpar a imagem de macroblocos, ruído, posterização e outros defeitos de imagem, a TCL ainda está um pouco atrás dos melhores processadores do mercado.

Por outro lado, embora a TV tenha um filtro Smooth Gradation, uma funcionalidade que tanto a Sony como a LG também têm, tive de o desativar, uma vez que, mesmo na definição baixa, produz um efeito de “suavização” excessivo na imagem, com uma perda notável de detalhes finos e nitidez.

Esta interessante tecnologia analisa os pixéis adjacentes em cores uniformes e, se detetar que não são exatamente iguais, aplica uma máscara de gradiente progressivo, fazendo com que uma cor de um lado se transforme gradual e suavemente na outra tonalidade.

aipq pro processor

Concluindo

Este é um dos melhores televisores LED, independentemente do preço.

As funcionalidades e os pontos fortes foram melhorados em relação ao modelo do ano passado, passámos de 576 zonas para 1344 (multiplicando o número de zonas por três), para além de ter sido melhorado ainda mais os controlos ABL e de calibração que funcionam perfeitamente.

O que é mais surpreendente é a ausência total de blooming, o que significa que podemos ter um nível muito bom de contraste e de fundo preto. Tudo isto é complementado com um bom som integrado com colunas Dolby Atmos, 2 portas HDMI 2.1 com suporte para 4K a 120 e 144 Hz e VRR, suporte para HDR10+ e Dolby Vision, um sistema operativo de topo e um controlo remoto renovado.

Este é o MiniLED com a melhor relação qualidade/preço do mercado. Dito isto, se quiseres adquirir uma nova TV, investir na TCL C855 é uma aposta segura.

9.0

Nota final

Pros
  • 2200 nits em HDR
  • Ausência quase total de ABL
  • EXCELENTE controlo de florescência
  • 1344 zonas de regulação em 65
  • Melhor controlo da luz graças aos MiniLEDs
  • Ampla cobertura de cor graças aos Pontos Quânticos
  • Suporte eARC e ALLM
  • Suporte para Freesync Premium, G-Sync e VRR
  • 2 portas HDMI 2.1
  • Atraso de entrada de apenas 13,2 ms
  • Suporte para HDR10, HDR10+, Dolby Vision e HLG
  • Excelente som integrado da Onkyo
  • Relação preço-desempenho muito elevada
  • A Google TV funciona muito bem e vem com 64 GB de memória interna
Cons
  • Filtro de gradação suave demasiado agressivo
  • Não atinge os 3500 nits prometidos pelo fabricante
  • Falta de um filtro antirreflexo de primeira qualidade
  • Ângulos fracos para um televisor desta classe
Sobre o autor

Fernando Costa

O Fernando é o diretor do InforGames. O seu primeiro computador foi o ZX Spectrum, e foi aqui que começou a interessar-se pelo mundo dos videojogos. Apesar de já ter jogado em várias plataformas, o PC continua a ser a sua plataforma de eleição. No que diz respeito a jogos, gosta de estratégia, corridas e luta.

O teu email não será publicado. Os campos de preenchimento obrigatório estão assinalados*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.